Relacionamento com japoneses - Blog da Moderna

Relacionamento com japoneses

Desde antes eu vir para o Japão, ouvia que os japoneses eram frios, que não eram carinhosos e que era muito difíceis de se relacionar.
Por vivência, eu não tenho uma amostra grande (desde que cheguei aqui, namorei um, terminei, por um curto período saí com outro, mas no fim voltei com o primeiro). Então não posso falar muito por experiência própria, mas tenho relativamente bastante amigo(a)s japonese(a)s aqui e conversamos bastante sobre o assunto.
Eu acho que em geral os japoneses são mais tímidos ou contidos, mas não necessariamente frios. Aliás, não acho muito justo essa generalização que fazem, não só dos japoneses, como de todo mundo em geral.
Conversando com os meus amigos homens, por exemplo, os que não namoram dizem querer alguém especial e os que namoram, quando eu pergunto se gostam da namorada, dizem com orgulho que são apaixonados e que pensam em casamento.
Quando estava solteira no Japão, tive alguns "deetos", ou seja, saí algumas vezes com um rapaz japonês. Ao contrário da imagem que se tem, todos os contatos que tive foram muito fofos e carinhosos.
Num modo geral, eu acho que eles têm uma "pureza", algo diferente. Conversam assuntos mais neutros e realmente perguntam de você, não parece que estão conversando somente com segundas intenções.
Outra coisa que notei, por experiência própria e ouvindo as histórias de amigos, é que o ritmo é diferente, quando comparado ao ritmo dos brasileiros.
Claro que "ficar" no primeiro encontro deve acontecer, mas acho que aqui é mais raro. Porém, é comum flertar, mandar mensagens, elogiar, assim como no Brasil ou outros Países.
Então vou contar um pouco da minha experiência:
O ex/ atual no início era um romantismo só: atencioso, carinhoso, falava de amor o tempo todo. Com o tempo, porém, ele parou de falar e demonstrar, mas acho que isso acontece bastante com brasileiros também, ne? Quando o relacionamento se torna mais longo e estável, acontece de demonstrar menos os sentimentos.
O outro rapaz, com quem saí por um curto período de tempo, foi totalmente romântico. Mesmo sendo por pouco tempo, quando olho para trás, digo que foi uma experiência que me acrescentou muito. Desde o início, ele me pediu em namoro dizendo que queria estar sempre comigo e por todo o tempo que ficamos juntos, não teve um dia sequer que ele não me agradecia por eu estar com ele e dizia o quão feliz se sentia ao estar comigo. Sempre muito educado, carinhoso e atencioso. Mas acabou que eu fui pro Brasil e fiquei uns meses e acabou não dando certo o relacionamento.
E por fim, o rapaz com quem fiz alguns dates. Sempre divertido, conversador, mesmo no meio da rua, me abraçava, andava de mãos dadas (mas isso eu não sei se é porque é Tokyo, talvez nas cidades mais no interior seja diferente).
A dinâmica de paquera é diferente. Pelo ritmo ser diferente, e no geral eles levarem o trabalho e estudos muito a sério, sinto que as coisas caminham com mais calma.
Mesmo que você saia algumas vezes e nada aconteça, muitas vezes já é considerado casal.
No começo eu não sabia falar japonês, então era praticamente impossível sustentar qualquer tipo de conversa, paquerar então, nem em sonho.
Mas conforme fui aprendendo japonês, fui entendendo mais também a forma de pensar e comportamento das pessoas aqui.
Algo que pra mim tem sido muito claro é que se a pessoa gostar de você, verbalmente não será diretamente falado. Mas as atitudes mostrarão por si só. Não me refiro a ações românticas ou demonstração de amor em público. Mas os pequenos gestos importam muito. O termo 「空気を読める」(algo como "ler o ar", ou seja, pegar no ar o significado) também vale muito para relacionamentos.
Coisas do tipo, os amigos saberem que o cara tem uma namorada já é muita coisa (é comum que se "esconda" a existência de um(a) namorado(a)), uma mensagem no fim do dia, cobrir a pessoa se ela adormece no sofá, colocar aquele filme que ele(a) quer assistir mesmo que você nem tenha tanto interesse no filme assim.
Parece tão básico, mas na prática, a gente acaba cobrando mais ne? Demonstrações de afeto, conversas diárias, contar como foi seu dia, ouvir o dia da pessoa com quem você se relaciona... isso eu não vejo acontecer aqui. Parece que "o que acontece no trabalho não diz respeito ao parceiro". Mas isso não quer dizer que o relacionamento seja frio. Mesmo. É só a forma de se relacionar que é diferente. Quando eu aprendi a olhar com os olhos dele, as situações me pareceram fazer muito mais sentido.
No início eu me sentia sozinha frequentemente e muitas vezes deixada de lado. Hoje, tentando olhar com outros olhos e considerar a cultura japonesa que é muito mais tímida do que a brasileira, eu não posso reclamar de nada. Tampouco posso concordar quando dizem que japoneses são frios.
Japoneses são seres humanos como qualquer outro e tem sentimentos e necessidades, também se sentem sozinhos e também querem carinho. Afinal, quem não gosta de um chamego? 
Ontem, conversando com uma colega brasileira, que é casada com japonês e mora no Japão há mais de 20 anos, ela definiu de forma que eu acho que explica bem: " Os japoneses são de uma delicadeza imensa. Mesmo se preocupando com você, não vão se intrometer na sua vida ou fazer perguntas indiscretas. Mesmo se casados. O respeito pelo espaço do outro é muito valorizado." 
Acho que é exatamente isso. Sei que deve parecer estranho chegar em casa e não ficar conversando sobre o que você fez durante o dia ou não saber o que o seu parceiro fez ( aliás, eu não acho isso muito bom em alguns pontos. Por exemplo, acho que o índice de traição aqui é muito alto. Mas deixa pra um proximo post...), mas a gente acaba acostumando.
O que vocês acham? Já tiveram alguma experiência com japoneses? 



@blogdamoderna